quarta-feira, 4 de agosto de 2010

O Domingo de manhã.

Apanhei um mix de folhas espalhadas pelo chão. Uma delas dizia que esperava por ti, mas não esperei. Naquela manhã de Domingo, corri para apanhar o comboio mais perto da minha zona. Não me importei com o facto de estar a chover, e a trovoada aparecer. Importava-me o facto de me rever sobre teus braços, e aparecer de súbito contigo e eu a envolver teus braços. Mas nada disto aconteceu, eu perdi o comboio, e preferi a minha doce companhia, a tomar um café contigo nesse Domingo de manhã, naquele café habitual onde tu e eu, em tempos pareciamos passar vezes sem conta. É que eu agora é que tenho o meu tempo para pensar em como tudo foi tão repentino. Como duas crianças anseiam algo, mas depois quando a têm, já não a querem. Eu hoje, sinto isso, que te quero, mas que já não te quero. E estou confusa sobre isso, apesar de, saber que não sou a unica, que hoje digo que te amo, mas que não o sinto. E o engraçado disto, é que a manhã ainda não acabou, e as borras do café estão deixadas sobre a chávena. O fio que paira sobre o meu corpo leva a que saía da esplanada do café, e apanhe um táxi, levando o meu baton do cieiro á boca. Para onde vai? Pergunta o taxista. Para um sítio onde aquele rapaz não exista, respondi.



ps- estou frustada porque a série 90210 já não passa na foxlife.

5 comentários:

  1. Queridos seguidores, peço desculpa pela minha ausência tanto no meu, como nos vossos mágicos blogs, mas com as férias e tudo mais tenho andado fora de casa, por isso não tenho tido muito tempo. Vou tentar actualizar o meu blog. E obrigada por me seguirem :)

    Gostei do post*

    ResponderEliminar